quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Ramadã - tempo de orar pelo mundo muçulmano


Ontem foi o início do Ramadã para os islâmicos. O Ramadã é o nono mês do calendário islâmico, no qual se acredita que o profeta Maomé recebeu a revelação da parte de Alá, por meio do anjo Gabriel, dos primeiros versos do Alcorão. De acordo com o islamismo, Maomé estava andando em um deserto perto de Meca em 610 d.C. Isso aconteceu onde atualmente localiza-se a Arábia Saudita. Esse ano o Ramadã será do dia 1º de agosto até o dia 30 do mesmo mês.

"Na história muçulmana, o Ramadã é frequentemente marcado por revoltas e vitórias", recorda Abdullah al-Amadi, responsável pelo site Islamonline. "Acredito que os jovens da Primavera Árabe irão se inspirar para ter ainda mais força na luta contra a injustiça e a tirania", analisa.

Para ele, as manifestações serão mais fortes especialmente nos últimos 10 dias do mês, que são ainda mais sagrados. O Ramadã, ou mês da piedade, é também definido por inúmeros muçulmanos como o mês do esforço e sacrifício, o que pode motivar ainda mais os manifestantes.

Na Síria existem mais de 10 mil mesquitas que todas as noites recebem uma quantidade considerável de fiéis, manifestantes em potencial. Os Comitês de Coordenação da Revolução Síria esperam que isso aconteça. "O regime está aterrorizado com o Ramadã e as orações noturnas de Tarawih", lê-se na página do Facebook "Syrian Revolution 2011".

Na Líbia, os que tomaram as armas contra o regime de Muamar Kadhafi esperam o Ramadã com um sentimento de grande determinação, ainda que encarem com apreensão os novos combates.

No Iêmen, onde o movimento de protesto iniciado em janeiro perdeu força devido a divisões na oposição e a incerteza sobre as reais intenções do presidente Ali Abdullah Saleh, hospitalizado em Riad desde um ataque em junho, nada pode prever como irão se desenrolar os acontecimentos.

Mas os jovens manifestantes que ainda acampam em Sana se mostram determinados a retomar o movimento durante o Ramadã. "Este será o mês da mudança, ainda mais porque Ali Abdullah Saleh não está no Iêmen", acredita Walid al Omari, um dos porta-vozes do movimento.

Nós, da Portas Abertas, queremos incentivá-los a orarem assim como nós faremos. A equipe da Portas Abertas Brasil terá a possibilidade de demonstrar de forma prática um de nossos valores centrais que diz: “somos pessoas de oração”.
Dedique um tempo do seu dia e também ore pelos cristãos terão que enfrentar essa difícil fase nesse mês.

Para saber mais sobre o Ramadã, acesse nosso blog clicando aqui.

Deus nos abençoe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário